Grafismo Grafismo

Queimadas e COVID-19

17.09.2020

Por: Mell

Autor: Fernando Kokubun, IG @fernandokokubun 

Revisores: Melissa M. Markoski (@melmarkoski)/ Luciana Santana @lucfsantana1812 

RESUMO:As queimadas, sejam elas provocadas ou não, causam sérios impactos na saúde humana e no meio ambiente. A pandemia atual da COVID-19, traz uma outra importante e preocupante consequência das queimadas. Ao afetar o sistema respiratório, estes danos podem facilitar que as pessoas sejam contaminadas com o SARS-CoV-2. 

As queimadas de origem humana têm sido utilizadas como prática comum para manejo do solo. Há registros dessa prática pelos povos indígenas, por exemplo, sempre como cuidado de preservar o seu ambiente, pois se valorizam e se respeitam as áreas da qual eles dependem para a sua existência. O uso indiscriminado da terra, sem preocupações ambientais, tem seu início com a introdução de grandes monoculturas, criação de gado, mineração e outros processos de abertura das matas, estando relacionados com os modelos de sociedades que desconsideram a importância da preservação do meio ambiente [1]. Este uso abusivo resulta em grandes prejuízos, não somente para o ambiente, mas para a saúde pública, além de perdas econômicas a longo prazo, com sérios reflexos negativos para o futuro da humanidade. 

Nos últimos anos, em particular no Brasil, o número de queimadas tem aumentado substancialmente, principalmente na região amazônica, mas não estando restrito a essa região. Nas últimas semanas, temos presenciado queimadas intensas na região do Pantanal, com forte destruição da fauna e flora locais. As consequências das queimadas para o ambiente são bem conhecidas, com consequências bem desastrosas, com modificações no ecossistema original local e com influências no clima global. Mas além dos impactos ambientais, as queimadas, por liberarem uma grande quantidade de materiais particulados, têm sérias consequências na saúde pública. As queimadas na região amazônica, em 2019, foram responsáveis por cerca de 2 mil hospitalizações [2]; e pesquisas indicam que substâncias emitidas pelas queimadas causam sérios danos nas células do pulmão [3]. Outro sério problema é que a destruição das florestas aumenta o contato dos humanos com agentes transmissores de novas doenças, das quais não temos ainda imunidade [4]. Um exemplo refere-se à atual pandemia de COVID-19, cujo vírus tem origem animal, possivelmente originário de morcegos, mas com outro animal intermediário, antes da contaminação em seres humanos [9]. 

Atualmente, em um período de pandemia como a que estamos vivendo, as queimadas são fatores de novas preocupações. Não apenas pelas consequências anteriormente apresentadas, mas também pelo seu efeito potencial na atual pandemia. E quais seriam as consequências de uma queimada para a pandemia atual?

Uma consequência importante é pela quantidade de materiais particulados que são produzidos pelas queimadas, e que aumentam a poluição atmosférica. Alguns estudos indicam que locais com alto índice de poluição atmosférica favorecem a propagação do vírus SARS-CoV-2 [5,6], que são carregados através do ar, sendo transportados por materiais particulados que estão em suspensão no ar. 

A recente queimada no estado da Califórnia nos EUA fez com que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, publicasse o seguinte aviso : 

“A fumaça de queimadas pode irritar seus pulmões, causar inflamações, afetar seu sistema imune e torná-lo mais propenso para infecções pulmonares, incluindo com o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19” ( (tradução do autor). 

em sua página [7], chamando a atenção para um possível efeito da fumaça produzida pelas queimadas. Quando as queimadas ocorrem perto de centros urbanos, de forma que a necessidade de evacuação de parte da população se torna necessária, surge outro grande problema que é a da aglomeração em centros de triagem, normalmente em locais fechados e com possibilidade de ocorrer uma grande concentração de pessoas [7], o que favorece a formação dos chamados “clusters” de propagação. 

A inalação das fumaças das queimadas, pelo seu potencial de causar danos no sistema respiratório [3], com doenças como asma, enfisema, problemas cardíacos, além de afetar as mulheres grávidas e seus fetos [8], pode atingir particularmente as pessoas que já são propensas a terem complicações com a COVID-19. Uma possível explicação para os efeitos da fumaça para o desenvolvimento da COVID-19 é a de que os problemas respiratórios causados por inalação de substâncias contidas nas fumaças das queimadas, em alguns casos, tendem a aumentar a expressão da enzima conversora de angiotensina, ACE2 [5], que é a porta de entrada da SARS-CoV-2 nas células humanas, tornando-as mais suscetíveis para desenvolverem os sintomas da COVID-19. 

Portanto, além de causarem sérios problemas ambientais, as queimadas podem ser responsáveis por um aumento de COVID-19 para as populações que sejam afetadas pelas fumaças das queimadas. Além disso, as queimadas destroem o ambiente natural de muitos animais e que, por consequência, passam a ter mais contato com os seres humanos, aumentando a probabilidade de ocorrerem transmissões de doenças para as quais não temos imunidade ou proteção natural. Assim, o combate das queimadas passa a ter uma importância primordial para a saúde da população e para o futuro da humanidade.

Referências 

[1] O uso do fogo : o manejo indígena e a piromania da monocultura. M. Leonel; Estudos Avançaos, 14(40), 2000, p231. 

https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142000000300019

[2] Queimadas na Amazônia estão ligadas a mais de 2 mil hospitalizações em 2019, diz relatório, Mariana Alvim , BBC News Brasil, 26/08/2020. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-53915037 

[3] Poluente emitido pela queima de biomassa causa dano ao DNA e morte de célula pulmonar. K. Toledo, Agencia Fapesp, 11 de setembro de 2017. https://revistapesquisa.fapesp.br/poluente-emitido-pela-queima-de-biomassa-causa-dan o-ao-dna-e-morte-de-celula-pulmonar/ 

[4] Ecology and economics for pandemic prevention. A. P. Dobson et all; Science 369, p379; 24 de julho de 2020. https://science.sciencemag.org/content/369/6502/379 

[5] Particulate matter and SARS-CoV-2: A possible model of COVID-19 transmission 

Nguyen Thanh Tung et all; Science of the Total Environment 750, p141532; 2021. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32858292/ 

 [6]Can atmospheric pollution be considered a co-factor in extremely high level of SARS-CoV-2 lethality in Northern Italy? E. Conticini, B. Frediani, D. Caro ; Environmental Pollution; Junho 2020, p 114465. 

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0269749120320601?via%3Dihub

[7] Wildfire Smoke and COVID-19. Centers for Disease Control and Prevention, 25 de agosto de 2020. https://www.cdc.gov/disasters/covid-19/wildfire_smoke_covid-19.html 

[8] COVID-19 worries douse plans for fire experiments. E. Cahan, 11 de setembro de 2020; Science. 

https://www.sciencemag.org/news/2020/09/covid-19-worries-douse-plans-fire-experime nts

[9]Six months of coronavirus: the mysteries scientists are still racing to solve. E. Callaway, H. Ledford e S. Mallapaty; Nature ; News 3 de julho de 2020. https://www.nature.com/articles/d41586-020-01989-z

Grafismo Grafismo

Compartilhe nas suas redes!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

Terceira onda de covid-19 de 2022

Novo surto de Marburg em Guiné Equatorial. Devemo

COVID-ABS efeitos epidemiológicos e econômicos s

Grafismo
Grafismo Grafismo