Grafismo Grafismo

Aumento de internações no interior do estado de São Paulo entre as festas de fim de ano .

28.12.2022

Por: Leorovatti

Leonardo Rovatti

Biólogo / Divulgador Científico /Fotógrafo Estudante de Programação
Fanático por tecnologia e Eternamente Curioso Fundador @savebiom @harpyja360bit.ly/LeoRovatti-Youtube

E ai gente, gostaria de falar um pouco sobre as internações em SP, tanto em UTIs como enfermarias, principalmente agora perto das festas de fim de ano.

Olhando para as internações em UTI do estado como um todo vemos cenários aos quais precisamos ficar atentos:

Segue o fio 🧶

1 – Uma queda (ainda bem), no entanto uma queda muito LENTA mais próximo a um platô
2 – Apesar das variáveis, após as festas de fim de ano a tendência é subir
3 – E mesmo essa queda “esconde” regiões do estado em que as hospitalizações estão em rápido crescimento

Colocando o intervalo de tempo do início da última onda do meio do ano até hoje, vemos mais claramente essa lenta queda que não é nada boa.

Quando comparamos com a última onda vemos mais claramente esse diferença: um rápido crescimento mas uma queda mais lenta

Olhando para ocupação em leitos de enfermaria vemos a mesma tendência: uma queda lenta.

Agora indo para o interior vemos situações preocupantes
em Araraquara a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 15% (em média 13 pessoas na UTI em 12/12/22 para 15 em 27/12/22), e já chegando muito perto do n de leitos totais ( 20 ) fazendo pressão para + leitos.

Na região de Presidente Prudente a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 55% (em média 9 pessoas na UTI em 12/12/22 para 14 em 27/12/22), e claramente fazendo pressão para criação de novos leitos chegando muito perto do n de leitos de UTI totais ( 16 ).

Na região de Marília a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 50% (em média 17 pessoas na UTI em 12/12/22 para 24 em 27/12/22), e chegando perto do n de leitos de UTI totais ( 37 ) fazendo pressão para criação de novos leitos.

Na região de Registro a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 133% (em média 3 pessoas na UTI em 12/12/22 para 7 em 27/12/22), mostrando um crescimento passando pico da última onda, e possuindo 11 leitos de UTI totais

Na região de Araçatuba a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 200% (em média 3 pessoas na UTI em 12/12/22 para 9 em 27/12/22), mostrando um crescimento chegando quase no pico da última onda, e possuindo 19 leitos de UTI totais

Na região de Barretos a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 133% (em média 3 pessoas na UTI em 12/12/22 para 7 em 27/12/22), mostrando um rápido crescimento possuindo 12 leitos de UTI totais

Na região de São José do Rio Preto a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 53% apesar do recente começo de queda (média 12 pessoas na UTI em 12/12/22 para 22 em 27/12/22), mostrando um crescimento que demandou a criação de mais leitos. Com 41 leitos de UTI totais

Na região de Ribeirão Preto a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 56% (em média 16 pessoas na UTI em 12/12/22 para 30 em 27/12/22), mostrando um rápido crescimento chegando já quase no pico da última onda, e possuindo 48 leitos de UTI totais

Na região de Franca a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 250% (em média 2 pessoas na UTI em 12/12/22 para 7 em 27/12/22), mostrando um crescimento que chega quase no pico da última onda, e possuindo 25 leitos de UTI totais

Na região de Campinas a ocupação de UTI em 15 dias teve um crescimento de 8% (em média 72 pessoas na UTI em 12/12/22 para 78 em 27/12/22), mostrando uma estabilização mas ainda sem sinais de queda e possuindo 293 leitos de UTI totais

Mas aí quando olhamos para Grande São paulo vemos um crescimento mais cedo que as demais regiões mas agora uma queda ou seja a maior pressão está no momento no interior de SP

As Demais regiões apresentam basicamente a mesma tendência do gráfico do estado como um todo, podendo ser conferidas aqui neste link do painel da @redeanalise usando os dados do SEADE
:

http://bit.ly/Rede_HospitaisRSSP

E como diz o grande @schrarstzhaupt
“ Mais gente com covid na rua = mais gente com covid no hospital.
Gente com covid no hospital significa aumento de probabilidade de infecção de vulneráveis que por sua vez significa aumento de probabilidade de óbito ”

Infelizmente essa não é uma situação só de SP, hj por exemplo já voltamos a marca de 363 óbitos, isso considerando todos os problemas de notificação q essa data entre festas sempre apresenta .

https://www.estadao.com.br/saude/metade-das-cidades-brasileiras-tem-incidencia-alta-de-covid-19-internacoes-seguem-em-crescimento/

E para quem ainda não viu a situação de sua região, esse fio sobre casos e óbitos do dia 23 é bem importante 👇

Portanto pessoal, infelizmente a Covid não foi embora então não permita que ela participe das suas festividade.
Então se for se reunir esse fim de ano tome muito cuidado.
Fique atento aos sintomas se com sintomas teste e não encontre ninguém.

Se cuidem e cuidem dos seus.

E lembrem de estar com as vacinas em dia e mascara no rosto principalmente agora nessa onda e se for de grupo de risco.

Um feliz final de ano a todos, e que ano que vem seja mais feliz e que muitas boas novidades aconteçam, um bjão a todos.

👇

Originalmente tuitado por Leonardo Rovatti 🧬🔬 (@leorovatti) on 28 de December de 2022.

Grafismo Grafismo

Compartilhe nas suas redes!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

Mulheres, violência e pandemia da Covid-19 no Bra

Nos tempos do imperador: a varíola e a cólera

Nanomateriais catalíticos podem inativar vírus d

Grafismo
Grafismo Grafismo