Grafismo Grafismo

Dados atualizados de mpox até 03/01/2023 no Brasil

03.01.2023

Por: Isaac Schrarstzhaupt

Isaac Schrarstzhaupt

Coordenador na Rede Análise ( @redeanalise); Analista de Dados / Pesquisador; TEDx speaker; Pessoa com autismo; O sobrenome pronuncia CHUÁRTI ZÁUPITI!

Olá, pessoal! Feliz 2023 pra todo mundo!

Esperamos que este ano seja mais tranquilo para todos nós!

Vamos iniciar com um fio rápido para vermos a situação da #mpox no Brasil?

Até o dia 03/01/2023 temos 10.544 casos totais notificados, lembrando sempre que a primeira notificação se deu em 27/06/2022, onde 20 casos foram inseridos no boletim nacional.

Conseguimos ver algumas coisas ao olhar o gráfico do país todo:
– Vemos uma queda bem lenta na notificação dos casos, é praticamente uma estabilidade, mas com tendência de queda;
– Tivemos uma redução estranha de casos totais no final de 2022, (provável erro de notificação);

Também vemos, no gráfico anterior, que o estado de SP notificou 40,26% dos casos totais do Brasil até 03/01/2023.

Mas, quando olhamos para o gráfico apenas de SP, vemos que essa estabilidade está ainda mais aparente aqui:

Para entendimento:
– De 27/06/22 até 27/10/22 (122 dias) foram notificados 4.051 casos em SP;
– De 27/10/22 até 03/01/23 (68 dias) foram notificados 205 casos em SP.

Uma queda significativa. Isso é bom!

Qual a parte ruim?

Continuam sendo notificados casos, ou seja, não temos expectativa (ainda) de zerar os casos. sendo que, para essa doença, é possível.

Vejamos por região. No Nordeste, temos mais crescimento (proporcional) do que no país:

A mesma coisa na região Norte. Conseguimos ver que a epidemia lá começou mais tarde, mas ainda está notificando uma quantidade proporcional de casos relativamente alta:

Na região Sul conseguimos ver bem essa estabilidade nas notificações.

Circulei no gráfico para vermos que temos uma constante, o que traz novamente essa tendência de endemia (para uma doença que não existia no Brasil, o que é ruim):

Na região Centro-Oeste tivemos um lançamento represado em dezembro de 2022 que infelizmente prejudica a visualização da estabilidade no gráfico:

E por fim a região Sudeste, que carrega muito do que já vimos acima no estado de SP, já que 67% de todas as notificações da região Sudeste vem de SP:

Quando olhamos os dados do mundo, principalmente via mapa de calor, percebemos o quanto essa doença se espalhou nesses últimos sete meses.

O Brasil "estacionou" (ainda bem) em 14 óbitos, no segundo lugar mundial.

Os EUA possuem 20 óbitos, encabeçando esse triste indicador:

Quando olhamos os dados do mundo através do gráfico de novos casos por dia, vemos uma tendência parecida: depois do "estouro" da epidemia, há uma estabilidade nos novos casos.

Quando um país começa a controlar, outro começa a ter mais casos e isso não deixa a doença zerar:

É muito importante que tenhamos essa consciência de que a doença não foi erradicada.

Ela continua entre nós, e acreditamos que o SUS terá condições de enfrentá-la com boas políticas públicas.

Para acessar os dados, o painel está no seguinte link: http://bit.ly/Rede_mpox

Originally tweeted by Rede Análise | Especial COVID-19 (@redeanalise) on 4 de January de 2023.

Grafismo Grafismo

Compartilhe nas suas redes!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

VACINA CONTRA DENGUE

Fibrose cística, sepse, trombose e NETs: entenden

COVID-19 e Mucormicose (doença por “fungo negro

Grafismo
Grafismo Grafismo