Grafismo Grafismo

Checagem: o filme “Died Suddenly” NÃO traz evidências de que as vacinas fazem mal!

06.12.2022

Por: Mell

Mellanie Fontes-Dutra (Mell)

Biomédica, Neurocientista (mestra e doutora), Professora @Unisinos e #SciComm em @redeanalise. Ela/Dela | #DefendaoSUS

O filme “Died Suddenly” NÃO traz evidências de que as vacinas estão por trás dos excessos de óbitos, tampouco seriam “armas biológicas” para o despovoamento global.

Não, os dados do CDC também NÃO indicam essa relação com as vacinas.

O que é fato?

Rick And Morty Fake News GIF by Adult Swim

Recebi muitas mensagens sobre um filme chamado “Died Suddenly”. Não vou entrar em detalhes, mas o enredo é recheado de teorias da conspiração (“elite que quer despovoar o mundo”) e fake news sobre a COVID-19. A tentativa é vincular o excesso de mortes às vacinas contra a COVID-19

GIF by Late Night with Seth Meyers

As vacinas tem salvado muitas vidas na pandemia da COVID-19, e a alegação de que o excesso de óbitos ocorre por causa da vacina é falsa.

O maior aumento da incidência de parada cardíaca ocorreu em 2020, p. ex., antes das vacinas, segundo o CARES*

*https://en.m.wikipedia.org/wiki/Cardiac_Arrest_Registry_to_Enhance_Survival#:~:text=The%20Cardiac%20Arrest%20Registry%20to,Emergency%20Medicine%20at%20Emory%20University.

https://twitter.com/DrKatEpi/status/1596686221710860291

Entre as falsas alegações, há também falsos contextos. Um vídeo educativo no YouTube abordando procedimentos para resolver uma embolização pulmonar foi descontextualizado e trazido no vídeo, dizendo que era de uma pessoa vacinação que havia morrido. Não era.

https://twitter.com/DrKatEpi/status/1596686230225182720

Estudos recentes também tem mostrado que o risco de miocardite pela COVID-19 é pelo menos 4x maior do que qualquer risco oferecido pela vacinação, considerando pessoas jovens, inclusive

https://twitter.com/mellziland/status/1594759173115465729v

O mesmo padrão de risco oferecido pela COVID-19 também foi observado considerando a trombose: ocorrência de eventos trombóticos e AVC foi MAIOR naqueles com COVID-19 do que em vacinados; Nenhum risco significativo desses eventos foi visto pós vacinação:

O ecossistema da desinformação usa vários truques para te convencer a respeito de alguma coisa, e um deles, é o apelo emocional.

Vacinas não são armas biológicas para despovoar o mundo. Vacinas salvam vidas.

https://www.mcgill.ca/oss/article/covid-19-critical-thinking/anti-vaccine-documentary-died-suddenly-wants-you-feel-not-think

Alguns links para quem quiser se aprofundar um pouco mais nessas checagens, ou mandar para alguém que assistiu e está inseguro com as informações:

https://esportes.yahoo.com/noticias/died-suddenly-usa-alega%C3%A7%C3%B5es-falsas-191148454.html

https://www.factcheck.org/2022/12/scicheck-died-suddenly-pushes-bogus-depopulation-theory/

Não bastando isso, temos alegações (spoiler: falsas e descontextualizadas) dizendo que o CDC informou que 1.1 milhões de óbitos ocorreram após a aplicação das vacinas contra a COVID-19 e que a taxa de óbitos em vacinados é maior que em não vacinados.

O que é fato ou fake? 👇

Reading Nemo GIF

Sobre o excesso de óbitos em 1.1 milhões após o início da vacinação (vs. 2015-2019) já começa problemático porque no mesmo período tivemos a própria COVID-19. Ainda, o documento comenta que na mesma semana (38) o excesso de óbitos em 2022 foi maior que em 2020. Calma lá

Curioso que, ainda em Janeiro de 2022, tivemos a checagem de uma alegação parecida, em que dados do CDC indicariam que 1 milhão de pessoas teriam morrido por conta de eventos adversos pós vacinação – uma falsa afirmação.

https://www.usatoday.com/story/news/factcheck/2022/01/05/fact-check-1-million-covid-19-vaccine-adverse-events-unverified/9103381002/

A alegação acima usa a base do VAERS para comprovar esses dados, e sabemos que essa base NÃO deve ser usada para essa finalidade. Ali temos apenas as notificações desses eventos, que ainda passarão por investigações para definir se a vacina tem relação

Cabe relembrar que em 2022 tivemos a circulação de uma das variantes mais transmissíveis, a Ômicron (e suas várias versões). Uma variante muito transmissível num cenário em que medidas de restrição são escassas traz riscos, principalmente para os mais vulneráveis e não vacinados

E um ponto que às vezes gera dúvida é a questão de que hoje, mais óbitos estão sendo vistos em vacinados do que não vacinados, nos EUA. Pessoal, os EUA tem mais de 80% de sua população com pelo menos 1 dose*. Explico aqui:

https://covid.cdc.gov/covid-data-tracker/#vaccinations_vacc-people-booster-percent-pop5

A melhor escolha é a vacinação pessoal. Só no primeiro ano de vacinação, as vacinas evitaram 20 milhões de óbitos. E, infelizmente, menos óbitos foram evitados em locais com baixa cobertura vacinal:

Centenas de milhares de vidas poderiam ter sido salvas com melhores políticas de enfrentamento contra a COVID-19, o que inclui uma maior vacinação e o quão rápido essa vacinas chegaram nos braços da população, principalmente os mais vulneráveis

https://www.washingtonpost.com/business/the-tragedy-of-avoidable-covid-deaths/2022/12/03/9892a028-7313-11ed-867c-8ec695e4afcd_story.html

Cuidado com a desinformação pessoal. Ao receber ou ver qualquer notícia que faz um apelo emocional muito grande, que traz elementos conspiratórios de “não querem que tu saiba” ou “documentos secretos” etc, desconfie. E na dúvida, mande para um especialista ajudar!

Originally tweeted by Mellanie Fontes-Dutra (Mell) 🌻 (@mellziland) on 6 de December de 2022.

Grafismo Grafismo

Compartilhe nas suas redes!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts
relacionados

A infeliz eterna polêmica da Cloroquina

Vamos saber mais sobre a variante XBB.1.5?

Desenvolvimento de Vacinas: Da fase exploratória

Grafismo
Grafismo Grafismo